Proteja seu verão das infecções urinárias!

É ótimo curtir o verão, mas não deixe que as infecções te atrapalhem! 

Você sabia que o período do verão costuma ser mais propício para as infecções do trato urinário? Praia, piscina, calor, umidade, transpiração e… desidratação. Esse combo pode ser decisivo para uma cistite. Quer entender melhor o assunto e curtir o verão mais tranquilo? Continue a leitura de nosso artigo! 

Mas por que o verão? 

Como abordamos suscintamente acima, no verão é comum curtirmos bastante e esquecer um pouco dos cuidados com a saúde (é comum, mas não deveria!). Existem 3 fatores que fazem com que a ocorrência das infecções seja mais frequente. Acompanhe. 

  • Transpiração: o calor promove uma transpiração excessiva. Com isso, perdemos líquido mais rapidamente; 
  • Desidratação: ocorre quando a ingestão de água não acontece corretamente, nem na frequência ideal; 
  • Umidade: os biquinis e sungas molhadas são propulsores para a proliferação de bactérias e germes nas partes íntimas, o que também pode trazer infecções, principalmente para as mulheres. 

Infecções do trato urinário 

Entre os principais tipos de infecção do trato urinário, temos as infecções do trato urinário baixo e alto. “Baixo” refere-se a Cistite e “alto” denomina a Pielonefrite. Explicamos um pouco mais sobre ambos logo abaixo! 

Cistite 

A Cistite consiste em um tipo de infecção do trato urinário baixo. Quando ela é infecciosa, tem origem devido a uma bactéria ou fungo que chega até o fundo da bexiga.  

Ela também pode ser actínica (advinda da radioterapia) ou ainda intersticial (que forma úlceras na parede da bexiga).  

Causas 

Esta doença surge quando as bactérias da região do períneo adentram a uretra e se multiplicam na bexiga. 

A bactéria mais comum para a Cistite é a Escherichia coli. Ela faz parte de nosso intestino naturalmente. Porém, ao atingir a uretra e bexiga, será responsável pela infecção.  

Vale lembrar que, este tipo de ocorrência acomete mais as mulheres. Afinal, sua uretra é menor em relação a dos homens. O que facilita o “caminho” para a bexiga. 

Sintomas 

Entre os principais sintomas temos os seguintes. 

  • Micção frequente (vontade de urinar mais vezes ao dia); 
  • Micção curta (elimina-se pouca quantidade de urina a cada vez); 
  • Ardência durante o ato de urinar; 
  • Febre; 
  • Presença de sangue na urina. 

Diagnóstico 

A presença da maioria dos sintomas citados acima já é suficiente para desconfiar deste diagnóstico. Porém, é preciso saber que, o diagnóstico só poderá ser feito por um médico. 
 
 É por meio da avaliação clínica e da coleta de exames, como o EAS (exame simples de urina) e a Cultura de Urina (que dará o parecer final) que o médico responsável poderá confirmar a Cistite.  

Tratamento 

A recomendação inicial é consumir bastante água e urinar com maior frequência. O objetivo é “limpar” a bexiga. 

Em seguida, é comum que o médico responsável indique os antibióticos. Os medicamentos, assim como a dosagem e quantidade de dias de consumo, irão variar de acordo com cada paciente, pois serão avaliados o quadro clínico, histórico de doenças pregressas e quais bactérias foram encontradas na urina.  

Quadros repetitivos 

Se o paciente apresenta cistites recorrentes, seu médico poderá solicitar exames antes e depois do tratamento. É possível ainda que ele realize uma avaliação complementar como tentativa de encontrar fatores de risco que possam ser eliminados.  

Consequências 

Se por algum motivo a cistite não for tratada, pode evoluir para pielonefrite, cicatriz renal e até DRC. De qualquer maneira, estes quadros deverão ser tratados e investigados mais a fundo, para que se investigue se há outras causas para tais alterações. 

Dicas de prevenção 

Para a prevenção da Cistite, é importante que você tome alguns cuidados, como esses citados abaixo. 

  • Consuma mais água, o ideal são doses constantes ao longo do dia e de todos os dias; 
  • Urine em períodos regulares, evite urinar com intervalos maiores do que duas horas; 
  • Lembre-se de esvaziar a bexiga por completo a cada micção; 
  • Troque os absorventes íntimos com frequência; 
  • Após usar o banheiro, limpe a vulva da frente para trás, evite contaminar o trato urinário com bactérias do ânus;  

Pielonefrite

A pielonefrite também é uma doença infecciosa causada por bactérias. Ela, por sua vez, acontece quando o parênquima renal e o bacinete (a parte do rim em forma de funil) se inflamam.  

De forma geral, é reversível. Porém, se não tratada, pode trazer consequências maiores.


Causas 

Entre as causas mais comum para o quadro de pielonefrite temos a contaminação pela bactéria E.coli (também presente no intestino). Ela adentra a uretra, alcança a bexiga, os ureteres podendo chegar aos rins.  

Além disso, é importante saber que, uma Cistite mal resolvida também pode evoluir para a Pielonefrite! 

Evolução  

A doença é potencialmente perigosa. Quando não tratada, pode evoluir para a DRC.  

Isso acontece devido a perda do funcionamento dos rins que pode acarretar a falência do órgão.  

Sintomas 

Estes sintomas são parecidos. A única diferença está na forma com que eles se demonstram.  

Entre eles, os principais são dor a punho percussão em registo lombar-sinal Giordano positivo. Além de náuseas, vômitos, febre, calafrios, mal-estar generalizado, dor lombar (nas costas), no abdômen, urgência para urinar, sangue na urina e odor desagradável nela.  

Diagnóstico 

Como no caso das cistites, o quadro geral do paciente sintomático já apontará para a possível infecção. Contudo, sempre será necessário a análise completa com exames de hemograma, urina tipo I e urocultura. 

Também é preciso que o médico responsável se certifique de que os sintomas não são decorrentes de uma apendicite, doença inflamatória pélvica (infecção em ovários e cavidade uterina). Isso será constatado através do diagnóstico diferencial das doenças.  

Internação 

Quando o quadro do paciente não é estabilizado no momento ideal e se agrava, pode ser preciso realizar a terapia com antibiótico endovenoso (ou seja, na veia) e, para tanto, a internação é realizada. 

Quando o quadro for controlado, é preciso retornar ao médico nefrologista para que se trate e previna a fibrose renal, assim como a DRC e a perda dos rins. 

Outras Doenças dos rins 

Saiba mais sobre outras doenças do rim em nosso artigo “Como saber se você tem uma doença renal”.

Outras doenças comuns no verão

Entre outras doenças que são bastante frequentes no verão temos a Desidratação, Insolação, Micose, Intoxicação e Brotoeja.  

Portanto, aproveite o verão de forma segura, cuide-se!  

A Nefroclínica encontra-se na RUA C-149, QD 323 LTS 6/7 Nº 1145 
JARDIM AMÉRICA – GOIÂNIA, telefone (62) 3251-1911

Outras Notícias: